Você está aqui: Página Inicial

Programa de Pós-Graduação em Agroecologia - Mestrado Profissional

AVISOS:

Fã Page no Facebook do MPA

Álbum de fotos do MPA

 

DAG-UEM Ano 40

 

AGROECOLOGIA:

O público-alvo do MPA é todo profissional que atua ou pretende atuar em Agroecologia. Como a Agroecologia é uma ciência transversal, ou interdisciplinar, o Programa estará disponível a profissionais de diversas áreas de conhecimento. Oportunizará o relacionamento produtivo entre profissionais com ampla experiência técnica e profissionais recém-formados, comprometidos com a produção agroecológica familiar e com o desenvolvimento regional sustentável. Permitirá o exercício da pesquisa participativa e da troca de saberes, que pressupõe relacionamento íntimo e dinâmico com os agriculores e suas famílas.

SÃO OBJETIVOS DO PROGRAMA:

• Formar e qualificar profissionais para atender a demanda crescente da agropecuária em base ecológica, no que se refere à assistência técnica, geração e validação de tecnologias, ao ensino e à capacitação dos atores envolvidos com o modelo mencionado;
• Atender demandas pontuais de pesquisas no contexto da produção agroecológica familiar;
• Estimular a produção e divulgação de conhecimentos científicos em Agroecologia e sua relação com outras áreas científicas, qualificando os alunos para a atuação profissional;
• Exercitar a pesquisa participativa com enfoque sistêmico e natureza transversal para construção de conhecimento a partir dos atores envolvidos nesse processo (técnicos, estudantes, agricultores familiares);
• Aumentar o conhecimento sobre a natureza, o funcionamento e os indicadores de qualidade e de sustentabilidade dos agroecossistemas;
• Apoiar e potencializar a Rede Paranaense de Pesquisa em Agroecologia;

HISTÓRICO DO CURSO:

A proposta de criação do Mestrado Profissional em Agroecologia da Universidade Estadual de Maringá (UEM) começou a ser discutida e construída no ambiente do Grupo de Agroecologia de Maringá (GAAMA), a partir de 1998 e ganhou amplitude com a criação do Núcleo de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável (NADS) em 2004. Também, contribuiu de forma significativa para o estabelecimento da proposta, a criação e oferta da disciplina de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável no Programa de Pós-Graduação em Agronomia (PGA) e a introdução da disciplina de Agroecologia e Sustentabilidade no currículo do curso de Graduação em Agronomia, em 2010. Um marco importante nesse período foi a criação do Setor de Agroecologia/Agricultura Orgânica na Fazenda Experimental da UEM, destinada à pesquisa e ao ensino em Agroecologia e Agricultura Orgânica. São aproximadamente 10 ha, atualmente certificados pela ECOCERT. No seu início, de 2004 a 2011, foi certificada pelo IBD.

Outros fatos foram determinantes para reforçar a necessidade premente de um Programa de Mestrado Profissional em Agroecologia. Dentre eles podem ser citados: a criação do Projeto “Parceiros Orgânicos do Noroeste do Paraná”, do qual participaram a UEM/NADS, o EMATER/PR, o SEBRAE, Prefeituras Municipais da região norte e noroeste do Estado, Associações de Agricultores Orgânicos e ONG´s e a criação do Programa Paraná Agroecológico.

Mais recentemente, em 2012, é instituído no Brasil a Política Nacional de Agroecologia e Agricultura Orgância (PNAPO) (Lei 7.794/2012). Destaque-se, nesse particular, que são instrumentos da PNAPO (Art. 4º):

I - Plano Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica - PLANAPO;
II - crédito rural e demais mecanismos de financiamento;
III - seguro agrícola e de renda;
IV - preços agrícolas e extrativistas, incluídos mecanismos de regulação e compensação de preços nas aquisições ou subvenções;
V - compras governamentais;
VI - medidas fiscais e tributárias;
VII - pesquisa e inovação científica e tecnológica;
VIII - assistência técnica e extensão rural;
IX - formação profissional e educação;
X - mecanismos de controle da transição agroecológica, da produção orgânica e de base agroecológica;
XI - sistemas de monitoramento e avaliação da produção orgânica e de base agroecológica.

Destaque-se aqui para as ênfases em formação profissional e educação, pesquisa e inovação científica e tecnológica, assistência técnica e extensão rural, dentre outros.